sábado, 24 de março de 2012

Bento de Espinoza - Tratado da correção do intelecto


      Espinoza inicia sua obra indagando sobre a existência do bem verdadeiro, mais ainda, se existe algo que, achado e adquirido, lhe conferisse o gozo de uma alegria contínua e suprema.
      Faz uma crítica veemente ao modo de vida de sua época, no qual a busca pelo bem ou felicidade suprema se dá através das riquezas, das honras e da concupiscência.
      Indica com exatidão o que para ele se caracteriza como o bem verdadeiro ou sumo bem. Esse bem verdadeiro materializa-se no conhecimento da união que a mente tem com toda a natureza.
     Para que consigamos nosso intento, é necessário que nos dediquemos à filosofia moral, a educação dos meninos, a medicina e a mecânica. Tudo isso com a intenção de se chegar a perfeição humana e, para isso, todas as nossas ações e pensamentos, devem ser direcionados para esse fim, ou seja, colocar o intelecto no caminho reto.
   Para que o intelecto seja colocado nesse caminho reto é necessário aceitarmos como boas algumas regras da vida, a saber, 1) falar ao alcance do vulgo; 2) Buscar somente o necessário à saúde; 3) Procurar o dinheiro somente para o sustento da vida e da saúde;
    Feito isso, Espinoza considera que irá se dedicar ao que ele se propôs, qual seja, a correção do intelecto. Para tanto, ele recorre a quatro modos de percepção, a saber, a percepção pelo ouvido (arbitrária); a percepção pela experiência vaga; a percepção pela essência de uma coisa retirada de outra; e pela percepção de que uma coisa é percebida unicamente por sua essência.
    Nesse sentido, ele irá escolher dentre esses modos, àquele identificado como o melhor modo para perceber e, para isso, ele enumera quais os mais necessários para resolver isso:
1) temos de conhecer a natureza das coisas e a nossa, para aperfeiçoá-la;
2) temos de deduzir as diferenças e as concordâncias das coisas;
3) temos de ver o que essas coisas podem sofrer;
4) temos de associar isso com a natureza e a potência das coisas;
Assim Spinoza, com um estilo que lembra o de Bacon, descreve seu método para melhor percebemos. E chega a conclusão que a melhor percepção é a da essência.

Apontamentos sobre a obra:

*   Contém os germes da ética, sua principal obra;
*   Encontramos nela o caráter próprio da filosofia de Espinoza: a definição genética, a imanência, o método construtivo, a definição positiva da verdade e a noção de autômato espiritual;
* Com a formulação de uma verdade imanente à definição, Espinosa revoluciona a história da filosofia: o verdadeiro e o falso não devem ser julgados a partir de critérios externos.

Sobre o autor:

* Principais obras: Tratado político, inacabado; Tratado da correção do intelecto; Princípios da Filosofia Cartesiana; Pensamentos Metafísicos, que veio de curso particular que deu sobre Descartes, e sua obra prima: Ética Demonstrada pelo método geométrico.
*  Para Espinoza, a diferença entre filosofia e religião é que a primeira busca a verdade e a segunda precisa da obediência para ser realizada.

Jeimison Macieira
Disciplina: História da filosofia moderna II

Nenhum comentário:

Postar um comentário